terça-feira, 23 de março de 2010

ESTREIA HOJE - OIL AIN'T ALL JR

Black Box, CCB23, 25, 26, 29 e 30 Mar 2010 - 21:00
27 Mar 2010 - 18:00
28 Mar 2010 - 17:00 

"Julgo que não devíamos de modo algum tratar o Western como uma espécie de fundamentalismo ideológico americano. Pelo contrário, parece-me que precisamos hoje em dia cada vez mais de uma atitude heróica. Neste contexto, aquilo que deverá seguir-se à desconstrução e à aceitação da contingência radical não deve ser um cepticismo irónico universal, em que quando te empenhas em alguma coisa deves ter consciência de que nunca te estás a empenhar totalmente – não. Devemos sim reabilitar o sentido do empenho absoluto e da coragem de arriscar.” Slavoj Žižek

Oil Ain't All JR
um espectáculo do TEATRO PRAGA
em colaboração com GABRIEL ABRANTES
Com CLÁUDIA JARDIM | JOSÉ MARIA VIEIRA MENDES | PATRÍCIA DA SILVA | PEDRO PENIM | RODOLFO TEIXEIRA entre outros.
Assistência BÁRBARA FALCÃO FERNANDES | JOANA BARRIOS.
Luz DANIEL WORM D’ASSUMPÇÃO.
Produção CRISTINA CORREIA | PEDRO PIRES.

Reservas através do telefone (+351) 707 303 000 e fax (+351) 21 361 25 60,
ou email: bilheteiraccb@ccb.pt

mais info aqui

fotos: Susana Pomba aka Miss Dove

sábado, 13 de março de 2010

VEJO-ME GREGA

"Quando , na sua leitura do célebre coro de Antígona sobre o carácter "inquietante\demoníaco" do homem, Heidegger, na Introdução à metafísica, desenvolve a noção de violência "ontológica" própria de todo o gesto fundador do novo mundo da comunidade de um povo, gesto levado a cabo pelos poetas, pensadores e homens de Estado, deveríamos ter sempre presente que esta dimensão "inquietante\demoníaca" é, em última instância, a da própria linguagem.
Enquanto tal, o Criador é hupsipolis apolis: está fora e acima da polis e do seu ethos; não está ligado por quaisquer regras de "moralidade" (que não são mais do que uma forma degenerada de ethos) ; só assim pode fundar uma nova forma de ethos, de ser comunitário numa polis... evidentemente, ressoa aqui o tema de uma violência "ilegal" que funda o reinado da própria lei. Heidegger apressa-se a acrescentar como a primeira vítima desta violência é o próprio criador, que será apagado com o advento da nova ordem que fundou.
É interessante notar que o momento de Antígona em que o coro chora o homem como a mais "demoníaca" de todas as criaturas, como ser de excesso, ser que viola todas as justas medidas, acontece imediatamente a seguir ao momento em que nos é revelado que alguém desafiou as ordens de Creonte e realizou um rito fúnebre sobre o corpo. É este acto, e não a proibição decretada por Creonte, que é percebido como "demoníaco" e excessivo. Antígona está longe de ser a representante da moderação, da observância dos devidos limites, frente à hubris sacrílega de Creonte; muito pelo contrário, é dela a verdadeira violência."

Slavoj Žižek, VIOLÊNCIA

RELÓGIO D'ÀGUA 2008
TEM TANTAS GRALHAS QUE SAIU A VOAR MUITAS VEZES PARA A VARANDA

FATHER, you are a ....

GANG GANG




props to salão coboi via diogo da fanq

HOJE no Cartaxo às 21:30

O Teatro Praga apresenta no Centro Cultural do Cartaxo, na noite de 13 de Março, a peça “Super-Gorila” – uma criação conjunta de André Teodósio e José Maria Vieira Mendes.

foto: ângelo fernandes

segunda-feira, 1 de março de 2010

another likely story

Don't tell me
It's another likely story
Could've pinned it on you from the start
Well I'm new here
Doesn't mean I have to answer
Silly questions or a shot in the dark

You know I'm a child
I keep this alive

It gets harder
I remember to remember
Waking up again all over again
If there's an echo
Repeat days I'd likely let go
And be the changes we are noticing

When we're running wild
We keep this alive

Still i wonder
Sights around us fade and underneath
The ground shakes, things fall apart
And no other than the voice of one another
Keeps us safely moving on in the dark

You know I'm a child
I keep this alive


Au Revoir Simone

Fountainhead - Gary Cooper in Ayn Rands Fountainhead